quarta-feira, março 25, 2015

coutinho sagrada e campos...férteis!: Peladas da Pitangui

Republicando o texto do Zé


Peladas da Pitangui

O texto abaixo é de autoria de Hermélio/Zé.


PELADAS NA PITANGUI

Minha família se mudou pra Sagrada Família, pro 2128 da Rua Pitangui, uma via de terra, naquele trecho, em julho de 1965. E naquela redondeza fizemos amigos pra sempre, com os quais formamos um grupo que jogava bola na rua de calçamento da esquina de cima, a Cel. Júlio Pinto. Uma árvore em frente à casa do Ângelo e do Zezé era o gol de cima, e a outra, em frente à casa do Ênio, do Rui César e da Helaine, era o gol de baixo. Todo mundo jogava descalço, no calçamento e nos passeios. Quem atacava pra cima, atacava pra direita; quem atacava pra baixo, atacava pra esquerda. Na metade do jogo fazia-se a virada.
     Assim era nossa vida esportiva, até que a mãe do Ângelo e do Zezé ganhou o Vinícius, e ela reclamou que a gente gritava muito, não deixava o menino dormir, e proibiu o uso do gol em frente à casa dela. Tivemos que mudar o local da prática de nosso esporte pra outro lugar.
Na Joaquim Felício, esquina de Pitangui,  tinha o campinho da turma da parte baixa da Pitangui, Testa, Piaba, Chiclete de Onça, Danilo, uma turma de gente mais velha que a gente. Não conseguíamos jogar entre eles com tranqüilidade, porque as disputas ali quase sempre envolviam "cocadas" na cabeça dos perdedores. Havia um jogo em que a bola era disputada por todos que estavam na linha, e à medida que iam fazendo gols, cada um saía e esperava que se conhecesse quem seria o último jogador, o que não conseguiria marcar sua saída para a paz e o direito de dar seu “teco” na cabeça de algum coitado. Me lembro de uma tarde em que eu e o Wá, meu irmão, ficamos como a sobra do jogo, e um de nós seria “cocado” pela galera. Mas combinamos tudo direitinho, e conseguimos levar seu final a constantes chutes pra fora, o que não agradou aos que aguardavam conhecer a vítima da hora, mas que nos livrou de ser o “apanhador” do dia. Por coisas assim, nossa turma da Cel. Júlio Pinto resolveu ficar com o lote vago ao lado de minha casa, no outro lado da mesma esquina do campinho da parte baixa. Foi preciso juntarmos todas as nossas forças, enxadas, pás e picaretas pra fazer um campo mais ou menos do tamanho de uma quadra de futebol de salão. Um senhor campinho!
No começo as metas eram duas pedras de cada lado da cancha, mas, com o tempo e a dedicação de elementos especiais do grupo, cada gol passou a ter traves e travessão, serragem ao pé do goleiro e rede de tela de arame, retirada de algum galinheiro. Tela só no gol que dava pra rua Joaquim Felício, já que no de cima, que ficava colado no muro lateral de minha casa, não era preciso colocar rede.
A manutenção do campinho se dava sempre que fosse necessária, e não faltava mão de obra pra isso naquele tempo. As traves chegaram até a ter sua coloração definida, cinza claro e branco, graças à obtenção noturna de latinhas de tinta no Instituto Santo Antônio, que funcionava ao fundo da minha casa, tarefa que foi executada com maestria pelo Ronaldão Qüem-Qüem. O campinho era muito bonito.
A bola utilizada nos jogos, peladas, gol-a-gol e “controles” era guardada no quintal lá de casa. Não interessava de quem era a bola, quem a havia ganho; ela sempre estaria ali, disponível pra quem fosse praticar o ludopédio. Bastava que se gritasse um "manda a bola", pra que minha mãe, ou a Diva, ou um de nós, 4 meninos jogadores, ou uma de minhas 3 irmãs, jogasse a bola pro outro lado, por cima do muro. Quem estivesse jogando a devolveria pro nosso quintal tão logo seu jogo tivesse terminado. E assim era. Durante a semana, de manhã jogavam os que estudavam de tarde; de tarde jogavam os que estudavam de manhã. E nos fins de semana, jogávamos todos.
     Mas, no início de 1970, um trator entrou em nosso campinho, tirou todo o mato de suas laterais e aplainou o terreno, deixando em dois níveis o espaço onde jogávamos bola e onde os pequenos faziam túneis e cabanas. Ainda jogamos umas poucas peladas no lugar aplainado, até que pedreiros, serventes, carpinteiros, máquinas e serras apareceram para construir os 4 edifícios de 3 andares que existem até hoje no local. Onde mais poderíamos jogar nosso futebol diário, a não ser na própria Rua Pitangui?
Nosso campo passou a ser mais estreito, mas podia ser montado ao longo de dois quarteirões, segundo o que fosse necessário ou de interesse da turma. Na parte de cima, da Cel. Júlio Pinto até a Caldeira Brant, o campo ficava em frente ao Bar do Olegário e das casas do Ló, Adão, Davi e Caroço; na de baixo, da Cel. Júlio Pinto até a Joaquim Felício, ficava em frente de minha casa e das do Betão e do Fio, do Silvinho Bougleux e dos meninos que foram morar nos prédios novos, Lincoln, Jefferson, Nado, Baleia, Sérgio Timélo, e outros. O dono da bola continuou sendo qualquer um de nós, e a guarda daquele importante artefato foi mantida como na época de nosso velho estádio, lá em casa.
     Em frente ao 2128 da Pitangui foram realizados os mais vigorosos e retumbantes clássicos peladeiros da Sagrada, nas manhãs, tardes e noites de todos os dias. E, nas tardes de sábado, jogavam conosco alguns dos senhores da rua, como o Titita, motorista do caminhão Ford 350 amarelo no qual alguns de nós fomos ao Mineirão ver o Galo vencer a Seleção Brasileira campeã mundial de 1970, o Seu Ricardo, pai do Cadinho, Marquinho, Betinho, João, Luluca, Soninha e um monte mais de boa gente, um tio desses companheiros, além do Paulista, são-paulino roxo, cunhado de nosso amigo Pipute, e quem mais quisesse jogar com a gente. Eram figuras marcantes em nossas peladas, num tempo em que não havia tanto carro subindo e descendo pelo nosso campo.
Mas, de vez em quando, vinha a Dona do Aero Willys vermelho, que implicava conosco, reclamava do barulho que fazíamos e prometia que iria chamar a polícia pra nós. A bola continuava a rolar, que hora fosse, mas sabendo do que poderia vir a acontecer, colocávamos dois eminentes olheiros do time de fora no fim de cada quarteirão, observando se a viatura policial já estava chegando. E muitas vezes ela vinha mesmo, e os bravos olheiros gritavam "os hôme", e a bola era guardada atrás do muro lá de casa, ficando todos nós sentados no muro e no meio-fio, fingindo estar contando histórias da carochinha um pro outro. Todo mundo muito suado, porque contar história, sentado no muro e no meio-fio, é algo que dá muito calor na gente.
"Os hôme" passavam, uma, duas, três vezes pelo nosso campo, mas iam embora sem nos tomar a bola, objeto precioso, e a pelada voltava a acontecer, após vibrantes gritos, assobios e palmas. Tínhamos vencido mais uma batalha. E, em agradecimento à Dona do Aero Willys vermelho, cada vez que ela descia a rua com seu veículo, corríamos à frente dele, gritando, fingindo estarmos com medo e tentando subir em muros e postes para fugir dela, até que ela parasse na esquina da Cel. Júlio Pinto com Pitangui e saísse do carro dizendo "seus mentecaptos"! Ninguém sabia direito o que era aquilo, mas ouvíamos seu xingamento como elogio e prova de orgulho para todos. Virou tradição na Pitangui: a qualquer hora em que o carro vermelho aparecia na rua, tinha gente que saía correndo à frente dele, fugindo assustado da motorista que de vez em quando chamava a polícia pra gente. Era tudo muito engraçado e divertido.
Outro tradicional motorista que chamava nossa atenção diariamente, e parava nossas peladas, era aquele da Rural amarela e de teto branco, um tio do Gilberto Jucão. Certo dia, durante um jogo interrompido para que seu tio passasse, o Gilberto pediu-lhe a bênção, ao que ele respondeu com um “bençõe” e dois toques de buzina. Pronto, estava formada mais uma grande família ao redor do bar do Olegário. Todos nós, meninos grandes e pequenos, passamos a pedir, gritando, a “bença”, toda vez que nosso “tio” passava por nós, estivéssemos ou não jogando bola. Havia gente de todo tamanho que saía correndo de dentro de casa, pra se unir ao coro dos “bença”, e fazer nosso “tio” descer aqueles dois quarteirões da Pitangui respondendo a todos com 2 buzinadas, um grande sorriso e um aceno de mão. Nossa Família Sagrada era muito unida.
Nós tínhamos outro vizinho que se revelou também nosso amigo. Ele morava no mesmo prédio de nossa desafiante do Willys, no andar de baixo, o Seu Souza, simpática pessoa que gostava de plantas e não implicava conosco. Me lembro bem que ele nem xingou a gente na noite clara e quente em que, por volta das 11 horas, propus a realização de uma pelada, imediatamente aceita pela turma noturna. Tudo corria bem, sem reclamações e sem visita da polícia, até mesmo quando tivemos que encerrar o jogo depois que um beque da roça enfiou o bico na bola e a jogou em cima de um monte de garrafas guardadas no quintal do Seu Souza. A barulhada de vidro batendo e se quebrando foi o apito final de nosso evento noturno, que terminou de repente, deixando a rua vazia. Mas a bola nos foi devolvida no dia seguinte, sem bronca e sem estar rasgada. Seu Souza era um cara muito legal!
Quando não havia número de jogadores para formação de dois times pra pelada, saíamos para o peru (“peru, entrei”, “entrei”, “entrei”- o último a falar se tornava o cara do meio da roda) ou o "controle", jogo esse de habilidade com 1 no gol e 3 na linha, que só podiam chutar ao gol depois que a bola tivesse passado pelos 3, no alto, sem tocar no chão. Pra se chutar sem os 3 toques, só se a bola viesse de cruzamento. Quem fazia isto gritava, “cruzo”. Se acontecesse um “cruzo”, o nome do nosso cruzamento, valia o gol só de 2 toques. Após 3 gols, o goleiro era trocado. Um chute pra fora de um dos 3 atacantes, fazia o goleiro vir pra linha. Coitado de quem estivesse no gol com uma linha de trio habilidoso. A chance de deixar de ser o guarda-metas do “controle” era muito pequena, e a troca de goleiros, muito rápida.
O gol preferido para a prática do “controle” era o portão azul da casa do Seu Geraldo. Coitado do Seu Geraldo e de sua família, açoitados diariamente com um barulho infernal de gols e discussões acaloradas dos “controladores”. Coitado do portão, objeto de metal que tinha que ser consertado de tempos em tempos, pra recolocar seus parafusos no lugar, estragado por tantos gols marcados. Reclamações e pedidos eram emitidos por nosso ótimo vizinho, mas quem poderia por de lado um gol com altura e largura ideais, tão bem feitas para a prática do "controle"?
Pra se saber se o Seu Geraldo estava ou não em casa era fácil: se seu carro não estivesse em frente ao 2127 da Pitangui, o jogo seria realizado. Se lá estivesse o veículo verde, tínhamos que passar pra outro jogo, em outro lugar. E se ele tivesse saído, sabíamos quando estava chegando ao ouvir o ronco em 2 tempos de seu DKW-Belcar subindo a Cel. Júlio Pinto. Era hora do "controle" mudar rapidamente para um "peru" no meio da rua.
Nesse mesmo portão do 2127 aconteceu uma das cenas mais espetaculares do nosso estádio da Pitangui. Alguém, no gol, desafiava artilheiros que, no passeio do outro lado da rua, debaixo da árvore grande que ficava no canto de cima de minha casa, chutavam uma pesada bola de borracha “Dente de Leite”, a preferida do nosso grupo, com todo vigor, um atrás do outro, procurando marcar seu gol. Tudo ia bem e os gols barulhentos iam acontecendo, até que o craque Roberto Dias, com seu tradicional tênis Rainha preto, prepara o chute, o executa e acerta. Acerta a barriga enorme da empregada de Seu Geraldo, grávida, que estava assistindo ao jogo da varanda, acima do portão azul. Todos assustados, vimos a moça por a mão na barriga e entrar em casa. Mas nos tranqüilizamos depois, ao saber que nada de sério havia acontecido com ela ou seu filhinho. Apesar do susto, a moça, o Roberto e o bebê ficaram bem. Uma semana depois soubemos que ela tinha dado à luz um garoto que, certamente, se tornou um grande zagueiro cabeceador, ou alguém que detesta futebol.
Mas os apelos do bom Seu Geraldo foram ouvidos, e o gol do "controle" passou a ser no muro do prédio ao lado de minha casa. Sua marca ainda está ali, até hoje, fim de 2010. O ruim desse novo alvo era que, de vez em quando, a bola caía no estacionamento do prédio, ou batia na janela do português do 2º andar, felizmente e incrivelmente, sem quebrá-la, nos fazendo ficar livres do vizinho briguento e reclamão. Com a bola do outro lado do muro alto, tínhamos que arrumar alguém pra fazer o serviço de gandula. O bom era que o edifício onde moravam muitos dos novos boleiros acrescidos à nossa turma não tinha portão, interfone ou cadeado, como todo prédio tem hoje em dia. A vida futebolística da moçada era melhor e bem mais fácil naqueles tempos da década de 1970.
     Seguiu-se a vida, eu cresci, cresceram os amigos, mudaram muitos de vida, de turma, de bairro, de cidade. A Pitangui passou a receber mais carros, o bar do Olegário foi pra esquina da Caldeira Brant com Pitangui, a árvore grande de minha casa teve que ser cortada, após causar estragos na rede de esgoto, os muros da rua se tornaram altos, amigos e parentes morreram, as peladas acabaram. Mas, de cada chute, cada grito, cada briga, cada risada, cada fuga, cada corrida maluca do Betão e do Rogério à frente dos carros, pra ver quem seria o último a sair da frente deles, cada pedacinho desses serviu para construir uma história que está marcada com uma sinceridade que demonstra que amizade se faz nas pequenas coisas, nos pequenos momentos que, quando acontecem em nossa infância e juventude, formam nosso caráter, nossa personalidade. Me sinto feliz por ter jogado pelada na Pitangui com a Turma da Pitangui.
Nossos pais não tiveram que pagar por escolinhas de futebol para nós. Muito bons aqueles tempos!

coutinho sagrada e campos...férteis!: Peladas da Pitangui

Histórias e relatos

Amigos,

A história real é contada pelos personagens reais. Muita coisa se perde no tempo porque os personagens não deixam seus rastros, lastros e marcas. Sempre tivemos a idéia de escrever alguma coisa, contos, um romance, crônicas, qualquer coisa para falar do tempo de BH nos idos de 1965 pra frente, na ótica de uma moçada que se via e vivia produzindo coisas e tal ali na Sagrada Família. Nem que fosse só0 "palhaçada"! E isso tinha de sobra. 

Registros sinceros e cheios de real vivência servem para contar e recontar a história e compor um fiel retrato de um momento.

 

Estamos pensando e deixar registros dessas nossas vivências na cidade de Belo Horizonte, contada a partir de um determinado ponto de vista, localizado nas vivências do povo das ruas Pitangui/Coronel Júlio Pinto/Joaquim Felício/Bicas e "adjacências". Quando dizemos adjacências queremos dizer não especificamente as geográficas, mas as adjacências humanas e sociais, amorosas e amistosas. 

Por isso, todos os personagens que estiveram de alguma forma relacionados com as pessoas dessas ruas, convergindo ali na  Pitangui 2128, ou na esquina com a Coronel Julio Pinto, um meio que "Clube de Esquina" também (e olha que por ali passaram Telo Borges e Nico Borges, junto com o Marcolino, de Santa Tereza). e o Pessoal do estadual Central...

Nosso intuito é o de montar uma colcha de retalhos, livres no estilo narrativo, no conteúdo, no expressar. 

O Blog "http://coutinhocamposnoseoutros.blogspot.com" se prestará em centralizar as produções e escritos que forem surgindo. Sintam-se convidados. Todos!

É claro que todos os outros meios e redes sociais podem ser utilizados.

Po0dem começar a escrever suas lembranças. Quem sabe ao final não saia um "Livro"?


Abraços



--
Carlos Wagner Coutinho Campos
Professor da Rede Municipal de Belo Horizonte
Lagoa Santa -- MG, Brasil
Tel: (31) 36816837, (31) 88693837

domingo, março 22, 2015

sexta-feira, março 20, 2015

Enviado por Paulo F.



. Hannah Arendt,
o perdão e Israel

 O autor fala de Israel, mas a máxima poderia bem ser aplicada ao Brasil. Do Diário de Notícias de Lisboa Vingança ou perdão por Viriato Soromenho Marques Foram precisos dois milénios para que a categoria cristã de perdão fosse transportada da teologia para a política. O autor da proeza foi uma mulher, a filósofa judia Hannah Arendt. Ela explicou na sua obra magistral, A Condição Humana (1958), que o perdão é um remédio para a "irreversibilidade". Na ação os seres humanos produzem, mesmo sem o desejarem, resultados que podem ser terríveis para os outros, desencadeando uma dinâmica de ódio, previsível como uma lei natural ou um relógio suíço. A vingança prende vítimas e ofensores, cada um trocando de posições em cada etapa de retaliação, a um ajuste de contas infinitamente sangrento. As eleições em Israel podem ser sempre medidas por este balancear entre a vingança, que prende ao passado, e a remota possibilidade do perdão. A história de Israel e dos palestinianos tem sido a da previsibilidade da vingança. A mãe e seu filho, vítimas colaterais de um drone israelita contra Gaza. Jovens estudantes israelitas despedaçados por um bombista suicida numa paragem de autocarro em Haifa...O perdão em política, regressando a Arendt, significa desfazer as grilhetas do ódio, libertando "tanto aquele que perdoa como aquele que é perdoado" para a possibilidade de criar um futuro. O Likud e Benjamin Netanyahu, mergulhados num discurso de hostilidade racial, representam o prolongar da rotina da vingança, até uma qualquer implosão sem regresso. Do outro lado, a União Sionista, liderada pelo trabalhista Isaac Herzog, e a Lista Conjunta das quatro formações de árabes israelitas, representam a possibilidade de um diálogo novo dentro do próprio Knesset. Separando, como queria Theodor Herzl, a identidade cívica da religiosa, defendendo um Estado de Israel aberto a todas as crenças e origens nacionais, sem pulsão teocrática ou militarista. Talvez, começar por dentro uma rota para a paz.

PSDB racha em relação a Dilma | Conversa Afiada

PSDB racha em relação a Dilma | Conversa Afiada

PiG tem que aprender a desmamar do Governo | Conversa Afiada

PiG tem que aprender a desmamar do Governo | Conversa Afiada

quarta-feira, março 18, 2015

Todos novos em Capetinga

Todos novos em Capetinga
Olha aí o pessoal lá de antes...

O lobo da estepe - Hermann Hesse

  • O lobo da estepe define minha personalidade de buscador

ShareThis