domingo, dezembro 03, 2006

História de uma rua de meninos e meninas...

Ano de 1965...
Meu pai compra uma casa na rua Araripe, Bairro da Floresta...Ficamos por lá mais ou menos 6 meses e a família dos donos desfaz o negócio. Sentimentos de decepção a parte, foi a melhor coisa que nos aconteceu, pois, nos mudamos para a Sagrada Família bem rapidinho, para uma casa boa, em uma rua ainda limitada e sem calçamento ou pavimentação (quem te viu, quem te vê). Hoje uma lucura de trânsito. Outros tempos.
Foi aí que tudo começou, uma história de muitas histórias, muitas alegrias e tristezas também. Tinha eu 12 anos e estava sendo batizado na vivência de molecagem de rua. Até então, morávamos em um bairro popular, mais pobre. Nossos pais, com medo, não julgo se justificável, nos prendiam mais em casa.
Na Sagrada tudo mudou. Acho que meus pais relaxaram um pouco e nós também fomos crescendo, era mais difícil de segurar. Nós, irmãos e irmãs começamos a conhecer o pessoal do lugar. E aí, tem início uma história boa de contar. Tem alguém aí, a fim de contar uma pouco.
Eu tinha 12, o Zé 13, Rogério e Regina 10, Newton 9, Cláudia 7 e Valéria na rabeira, tinha só 2 anos.
Conhecemos o Angelo, o Ênio, o Ronaldinho, a Helaine, irmã do Ênio, o Betão, e a esse núcleo vieram muitos outros. Mais tarde, Alan, Kalil, Adão José, o Ló, Roberto Dias, o Fio, etc., e esta rede foi se estendendo e agregando outras tribos. O processo de crescimento de cada um foi trazendo uma vivência que se enriquecia e nós fomos acrescentando viagens, novas turmas, festas, músicas...
De cara, no natal de 1965 meu pai me deu um compacto duplo dos Beatles, Help. Tem início uma história de uma música pop que vai se sofisticando e, juntos, vamos também vivenciando uma certa sofisticação estética, ética, política e por aí vai... A música veio para ficar e nos construir.
Quem quer falar mais disso...
Tem alguém aí?

5 comentários:

Fio disse...

Eu, Fio, naquele 1965 tinha 5 anos. Ficava lá do muro de casa vendo as coisas acontecerem na rua. Da janela da sala víamos toda o centro da cidade de Belo Horizonte. Era lindo. Víamos o JK na praça Raul Soares. Víamos a Igreja da Floresta. Naquela época não se precisava de relógio. Da janela víamos o relógio da Igreja da Floresta. Não acredita? Pergunta ao Betão.
Bem, eu como a Valéria, era da rabeira, rapa do tacho... Eu e a Rita. Nesta época ela tinha 1 ano.
Mas eu me lembro do campinho de terra em frente de casa. Era tortura quando a bola caía na casa da Dona Anália. Tinha o Swinge, cachorro pequeno e bravo,que poucos tinha a coragem de enfrentá-lo. Já aos 7 anos em 1967 pude sair mais de casa. Jogar bola, ir naquela misteriosa casa dos Coutinho Campos. Pessoal diferente. O Betão não saia de lá. Para os azares de minha mãe. Ela não combinava muito com o estilo do pessoal. E eu... Morria de inveja do Betão. Até que uma vez, talvez com 1o anos fui a uma festa na casa dos Coutinho Campos. Tocava Beatles, Jovem Guarda, Gilberto Gil, e tinha uma menina linda que lá morava. Chamava-se Cláudia: - Meu Deus, Como é que eu vou chegar nela e dizer que ela é a mais bonita da rua. Ela é mais velha do que eu.
Naquela época um ano somava uma eternidade.
Pois na festa perguntaram-me para o meu alívio que eu achava a mais bonita. Eu enrubreci...Mas falei: - É a Cláudia!
São muitas estórias. Prá mim todas lindas! Que eu via inicialmente do muro da minha casa...

Meu carinho à essa gente que me educou na busca da liberdade

Abraços

Fio

Coutinho Sagrada e campos disse...

É fio, muito legal mesmo. Acho que me lembro do dia em que você chegou numa festa daquelas e falou pra minha mãe que aquela casa era legal... Teve uma história assim, não?

Anônimo disse...



Teve sim essa festa. E talvez depois da primeira eu não perdi mais nenhuma. Até que com 12 ou 13 anos eu comprei uma radiola portátil Philips. Tinha azul e laranjada. Eu comprei azul, com meu dinheiro, à prestação, na EMBRAVA - Empresa Brasileira de Varejo. Quem me vendeu foi o Barthô; amigo e colega do Betão (do colégio Humberto Rosas)_, técnico do time de futebol de salão que o Betão jogava. Ele era vendedor.
A partir deste investimento pude comandar muitas festinhas no terraço do Ivan. A turma tinha eu, Ivan, Silvinho, Valéria, Glaydes, Lincoln, Maninho, Nado, Cida, Betinho, Petrônio, Guinho, e outros que não me lembro agora. Aí, realmente começaram minhas referências musicais. Vamos lá. No primeiro escalão tinha o disco da novela Selva de Pedra. Rockn roll lullaby. Tinha Michael Jackson e os Jakson Five. Milton Mascimento e o Clube da Esquina, Courage, Para lennon e Maccartney, Angie dos Rollings Stones, muito Beatles, Gilberto Gil, Domingo no Parque, Lunik 9, etc...
Cada música tinha um significado especial. Ben, do Michael, me dava esperança de uma namorada que eu ia amar muito. Lunik 9, me transportava para o futuro da humanidade e seu estéril projeto espacial. Mas nada me tocava tanto como a mineiridade de Milton Nascimento. Dele eu gostava de tudo, até o que era ruim (se é que existe!). No meu coração era proibido não gostar das músicas que o Milton compunha. E San Vicente foi a primeira que toquei no violão. E veio Maria Maria, o espetáculo de dança. A música mineira tomou conta do meu coração dos 13 aos 19, quando fui morar na companhia do saudoso irmão em Lavras. Lá convivi muito com os paulistas e aí veio o Grupo D´alma, Arrigo Barnabé, Rock pesado, Tom Zé, Jards Macalé, etc...
Lembro-me também da Jovem Guarda, do Renato e seus Blue Caps, "Feche os olhos e sinta um beijinho agora...", E os Golden Boys?
Caramba, teve muita música boa pra curtir.
Você se lembra de Rita Pavoni? Tinha um tal " Me da um martelo". E o Pepino de Capri? "Lo sai, no ni vero, Roberta ascolta me, ritorna ancor, que ti ame, perdona me".
Essas últimas são ainda de 1964/65 no Bairro São Lucas, na Francisco Sales.
É isso aí meu irmão. Onde é que vai ficar isto tudo quando formos daqui?
Na memória...

Fio.

Coutinho Sagrada e campos disse...

Revendo as coisas aqui...lindo!

Coutinho Sagrada e campos disse...

Revendo as coisas aqui...lindo!

Todos novos em Capetinga

Todos novos em Capetinga
Olha aí o pessoal lá de antes...

O lobo da estepe - Hermann Hesse

  • O lobo da estepe define minha personalidade de buscador

ShareThis